A doação de sangue é um gesto simples que pode salvar muitas vidas, porém, no Brasil, o número de doações é mais baixo que o recomendado.

A campanha Junho Vermelho começou no dia 1° e continua durante todo o mês. O objetivo é estimular as pessoas a doarem sangue. A campanha é realizada no início do inverno, estação em que o número de doação reduz consideravelmente.

Devido ao início do período de provas e férias escolares, a tendência é que o número de doações diminua. Outro fator que contribui para a diminuição do número de doações é que as pessoas saem menos de casa no inverno.

É importante ressaltar que durante esse período a demanda por doação de sangue é a mesma ou até maior que durante todo o ano.

Vítimas de acidente de carro, procedimentos que necessitam de transfusões e patologias como câncer e anemia falciforme precisam do estoque sanguíneo dos hospitais.

A doação de sangue no Brasil

No Brasil, o número de doadores está abaixo do recomendado. A OMS (Organização Mundial da Saúde) recomenda que o índice esteja entre 3% e 5%. No Brasil, o número é de apenas 1,8%.

Dados coletados pelo Instituto Datafolha e pelo movimento Eu dou Sangue, que entrevistou 2.771 pessoas em todo o Brasil, mostram que 44% dos homens, 35% das mulheres e 52% dos jovens entre 16 e 24 anos não sabem o próprio tipo sanguíneo. As informações são da Agência Brasil, referentes à campanha Junho Vermelho.

Como doar sangue ajuda as pessoas?

Você sabia que em uma única doação de sangue é possível salvar a vida de até quatro pessoas? Além de ser utilizado para transfusão, o sangue doado pode ser usado para várias patologias e procedimentos.

A amostra de sangue doada é chamada de sangue total, a qual é submetida a um processo de centrifugação que separa o sangue em componentes como hemácias, plaquetas e plasma.

Cada componente pode ser utilizado para uma finalidade, veja como:

  • Hemácias: anemia e hemorragias agudas;
  • Plaquetas: podem ser utilizadas quando esse componente está abaixo do ideal e há o risco de hemorragias, como no caso da dengue hemorrágica e outras doenças;
  • Plasma: é usado para pacientes com distúrbio de coagulação e outros tipos de tratamentos. As substâncias extraídas do plasma também podem ser utilizadas para tratar doenças como aids, cirrose hepática, hemofilia, queimaduras e pacientes em terapia intensiva.

Além disso, o sangue doado pode ser utilizado para cirurgias de alta complexidade e para pacientes com patologias como câncer e anemia falciforme entre outras.

Quais são os critérios para doar sangue?

Antes de realizar a doação de sangue, é necessário verificar alguns critérios. Há impedimentos temporários e pessoas que não podem doar.

Veja abaixo os critérios básicos para doar segundo o site do Pró-sangue, hemocentro da cidade de São Paulo:

  • Estar saudável;
  • Ter entre 16 até 69 anos de idade. A primeira doação deve ter sido realizada até os 60 anos. Menores de 18 anos precisam apresentar documentação e autorização requisitadas pelo hemocentro;
  • Pesar 50kg ou mais;
  • Ter dormido pelo menos seis horas nas últimas 24 horas;
  • Ter se alimentado. É necessário evitar alimentos gordurosos quatro horas antes da doação;
  • Apresentar documento original com foto recente para identificação, como: RG, cartão de identidade de profissional liberal e carteira de trabalho. Todos emitidos por órgão oficial.

Quem não pode doar sangue?

  • Pessoas que têm doenças infecciosas transmissíveis pelo sangue com evidências clínicas e laboratoriais, como: aids (vírus HIV), hepatites B e C, doenças que são transmitidas pelos vírus HTLV I e II e doença de chagas.
  • Quem faz uso de drogas ilícitas injetáveis;
  • Quem já teve ou tem malária;
  • Quem teve hepatite após os 11 anos de idade. No caso da hepatite B e C, após ou antes os 10 anos, o impedimento também é definitivo. Para casos em que a hepatite é causada por medicamentos, é possível fazer a doação após a cura e avaliação clínica. Para a hepatite viral (A), após os 11 anos de idade, o médico da triagem irá avaliar o exame do diagnóstico, se o doador estiver com ele em mãos.

Esses são apenas alguns critérios. Verifique mais impedimentos no hemocentro de sua preferência.

Como doar sangue? Conheça o passo a passo para a doação de sangue

Após chegar ao local de sua preferência, será realizado um cadastro com seus dados. É necessário apresentar documento original com foto.

Na triagem clínica é realizada uma entrevista para saber as condições de saúde do doador para que não seja transmitida nenhuma doença para a pessoa que irá receber a doação.

Após a triagem, a coleta de sangue é realizada com materiais esterilizados e descartáveis que garantem a segurança do doador. A coleta demora em torno de 15 minutos. Após o procedimento, o doador deve beber bastante líquido e se alimentar.

É recomendado evitar grandes esforços físicos e ingestão de bebidas alcoólicas por 12 horas, não fumar por duas horas e não dirigir veículos de grande porte. Trabalhar em andaimes, praticar paraquedismo e mergulho também não são recomendados.

Os homens podem doar novamente após 60 dias, até quatro doações por ano, e as mulheres podem doar após 90 dias, até três doações por ano.

As informações são do Ministério da Saúde.

Faça já a sua doação de sangue e ajude a salvar vidas

O Brasil precisa de mais doadores, principalmente, do tipo sanguíneo O negativo, que permite a doação para todos os outros tipos sanguíneos, porém recebe apenas do mesmo tipo, O negativo. É possível acompanhar os estoques de sangue nos próprios sites dos hemocentros.

Que tal verificar se o estoque de seu tipo sanguíneo está acabando e se preparar para fazer uma doação? Entretanto, mesmo com os estoques cheios, toda doação de sangue é importante e faz toda a diferença. Doe!


Deixe um comentário

Skip to content