Você sabia que a TODXS, primeira startup social brasileira sem fins lucrativos que promove a inclusão LGBTI+, e o Facebook Brasil tem um material interessantíssimo sobre como combater o  cyberbullying LGBTI+? Confira mais detalhes e venha junto com a gente nessa causa!

O Facebook ajuda a nos conectar com os amigues e familiares e participar de uma comunidade global. Mas, assim como fora da internet, nem todos os comportamentos do mundo virtual são corretos.

A intolerância e o preconceito contra os quais lutamos diariamente surgem também nos meios digitais, assumindo a forma de LGBTIfobia, por exemplo – discriminação baseada na orientação sexual ou na identidade de gênero. Questões essas que são preocupantes e que prejudicam toda a sociedade.

O preconceito existe no mundo real e virtual, mas todes nós temos um papel fundamental em combater o  bullying e o cyberbullying LGBTI+, na criação de um ambiente mais seguro e acolhedor on e offline. É justamente por isso que o Facebook e a TODXS juntaram forças para:

  • Dar apoio e segurança às pessoas para denunciar a LGBTIfobia online;
  • Esclarecer dúvidas sobre questões de gênero e orientação sexual;
  • Falar sobre bullying e suas consequências;
  • Trazer ações positivas para combater o bullying e o cyberbullying;
  • Fornecer informações sobre as políticas e as ferramentas de segurança do Facebook para ajudar você a se manter seguro.

O que é bullying?

O termo define condutas agressivas praticadas conscientemente contra uma pessoa. Existem diferentes formas de prática de bullying como verbal, material e físico (como bater, roubar entre outros), o bullying psicológico e moral, sexual e o cyberbullying.

O bullying vem, cada vez mais, sendo debatido no Brasil, mas ainda há uma grande dificuldade em tratar o tema na esfera jurídica. No âmbito jurídico, todas as formas de praticar o bullying apresentadas acima podem se caracterizar como crime.

Casos como lesão corporal, calúnia e difamação, ameaça, dano e até instigar o outro ao suicídio estão previstos em lei e podem resultar em processo judicial, independentemente da intenção do autor.

O que é cyberbullying?

É um tipo de violência praticada contra alguém por meio da internet que pode se revelar como intimidação, hostilização ou perseguição de pessoas em meio virtual.

cyberbullying LGBTI+

Como combater o bullying e o cyberbullying LGBTI+?

Combater o abuso e a linguagem LGBTIfóbica online é tão importante quanto fazê-lo presencialmente. Entretanto, nem sempre é fácil sabermos como nos defender de uma agressão online.

É importante lembrar que todes temos um papel a cumprir na luta contra o preconceito. Não é só sobre combater o abuso, mas também sobre criar um espaço on e offline mais seguro e acolhedor para todes, livre de discriminação e de preconceito.

Fazendo a diferença

1 – Tudo começa com respeito

A primeira regra de convivência na vida e na internet continua sendo tratar a outra pessoa como você gostaria que te tratassem. Tudo começa com respeito! Somos livres e iguais, mesmo em nossas diferenças. Construir um ambiente acolhedor das diversidades é dever de todes.

2 – Não seja apenas testemunha

Ao presenciar uma situação de cyberbullying não fique em silêncio. Tenha em mente uma das três ações: ajudar a vítima (seja ela LGBTI+ ou não), buscar apoio e denunciar. Mantenha a calma e aja de acordo com a sua avaliação da situação.

Lembre-se que, ao intervir, é importante não recorrer à violência, o que só perpetua um ciclo vicioso. Adote um posicionamento positivo e apoie.

3 – Escute e apoie

Vítimas de bullying e cyberbullying frequentemente sofrem caladas e têm vergonha de dividir suas angústias e falar das experiências de agressão.

Mostrar que você se importa e está sempre disposto a escutar seus amigues é algo simples e que pode fazer uma grande diferença.

Busque construir ambientes seguros em que você e seus amigues tenham confiança para compartilhar seus sentimentos.

4 – Pense 2 vezes

Não faça comentários que questionem a orientação sexual e/ou identidade de gênero de uma pessoa com base na sua aparência, gostos e preferências. Está na dúvida se o que você vai falar ou postar pode ser ofensivo? Então não faça. Isso vale tanto para seus ambientes de convívio quanto para a internet.

Nunca espalhe fotos, boatos ou informações que possam ferir a integridade, a reputação e a liberdade de pessoas LGBTI+.

5 – Transmita uma mensagem sempre positiva

Alie-se à causa LGBTI+ compartilhando seus conhecimentos com outras pessoas! Comece com situações corriqueiras: se alguém do seu círculo de amigues usar palavras pejorativas para se referir à identidade de gênero, orientação sexual ou características físicas de alguém, mostre que essa não é uma atitude bacana.

Ao responder publicações negativas, procure utilizar uma linguagem positiva. Converse, escute e explique os motivos, não condene apenas.

6 – Permita-se conhecer o novo

Se abra para o novo sempre! Dar espaço para as outras pessoas falarem e compartilharem suas experiências é também uma chance de aprender.

Não faça julgamentos precipitados sobre as pessoas, permita-se conhecê-las antes de formar uma opinião. Faça novas amizades e busque incluir colegas que não são parte do seu grupo habitual de amigues.

Ferramentas do Facebook que ajudam a combater o bullying LGBTI+

cyberbullying LGBTI+

Denuncie

Existe a possibilidade de denunciar todos os conteúdos no Facebook, o que significa que você pode denunciar qualquer coisa que lhe faça sentir-se desconfortável. Quando alguém é denunciado, um time global revisa e remove qualquer conteúdo que viola os padrões da comunidade do Facebook. Para saber mais sobre como denunciar, visite: fb.me/reporting.

Como manter sua privacidade no Facebook

O Facebook é um local para se conectar com pessoas e conteúdos com os quais você se importa. A rede social é baseada em identidades autênticas e isso te ajuda a saber com quem você está se conectando.

Então, antes de aceitar uma solicitação de amizade, convém dar uma olhada no perfil dessa pessoa. Vocês se conhecem? Têm amigues em comum? Se você receber um pedido de amizade de alguém que já é seu amigue, pergunte a pessoa se ela está reenviando o pedido, antes de aceitá-lo. Se ela não fez essa solicitação, reporte o perfil ao Facebook.

Você também pode escolher limitar quem vê sua lista de amigues se você estiver preocupado que seus amigues e familiares possam ser contatados por alguém. Para aprender mais sobre como manter sua privacidade no Facebook, acesse facebook.com/about/basics.

Filtre e escolha seus públicos

O Facebook permite que você controle quem vê a suas publicações e suas marcações. A verificação de Privacidade do Facebook pode te ajudar, por meio de um passo a passo, a controlar as informações que você compartilha no seu perfil, assim como selecionar os públicos com as ferramentas disponíveis e até customizar as opções de acesso ao conteúdo que você posta.

Não se esqueça de que quando você publica no perfil de alguém, essa pessoa controla o público que vê sua publicação, assim como quando marcarem você em alguma publicação com outras pessoas, esse conteúdo poderá ser visto tanto pelos seus amigues como pelos amigues das outras pessoas que foram marcadas.

Para fazer a verificação de Privacidade entre no seu Perfil e clique em configurações e privacidade e depois em analisar algumas configurações importantes de privacidade.

Se quiser se distanciar, desfaça a amizade

Para desfazer a amizade com alguém, vá ao perfil da pessoa, clique no botão “Amigues” no topo do perfil e selecione “Desfazer amizade”. Se você escolher desfazer a amizade com alguém, o Facebook não vai notificar a pessoa, mas você será removido da lista de amigues dela.

Se você quiser ser amigue dessa pessoa novamente, você precisará enviar um novo pedido de amizade. Para aprender um pouco mais sobre desfazer amizades e outras dicas, visite a Central de Segurança do Facebook: facebook.com/safety/tools.

Está inseguro? Bloqueie!

Bloquear a pessoa automaticamente a retira da sua lista de amigues e também a proíbe de ver suas publicações, marcar você em publicações, convidar você para eventos ou grupos, começar uma conversa ou adicionar você como amigue.

Bloquear é recíproco, então você também não poderá mais fazer coisas como começar uma conversa ou adicionar essa pessoa como amigue. Quando você bloqueia alguém, nós não notificamos a pessoa que você a bloqueou.

Para aprender mais sobre como bloquear alguém, visite a Central de Segurança do Facebook em facebook.com/safety/tools.

Vamos ajudar a combater o cyberbullying LGBTI+.

Fonte das informações: TODXS e Facebook Brasil.

Deixe um comentário

Skip to content